Presidente do Ipasgo anuncia datas de quitação das dívidas de novembro com a rede credenciada

 O presidente do Instituto de Assistência ao Servidor do Estado de Goiás (Ipasgo), Silvio Fernandes, anunciou o pagamento de R$ 115,5 milhões das dívidas em atraso, desde o ano passado, com a rede credenciada ao órgão. Desta vez, o novo calendário de quitação dos débitos é referente ao mês de novembro. 

 As quitações das dívidas serão feitas ainda neste mês de fevereiro em datas diferentes. Os prestadores de serviços registrados como pessoas físicas, que representam 3.210 profissionais no estado de Goiás, vão receber suas faturas avaliadas num total de R$ 16 milhões, no dia 20 de fevereiro. Os cadastrados como pessoas jurídicas, que somam 900 empresas da área da saúde, terão os débitos de R$ 99,5 milhões quitados no dia 28. Só na Odontologia, o Ipasgo tem entre cadastrados 818 pessoas físicas e 99 pessoas jurídicas em todo o estado.

 O anúncio foi feito na tarde desta segunda-feira, 18, após reunião com o presidente do Conselho Regional de Odontologia de Goiás (CROGO), Dr. Renerson Gomes dos Santos, e representantes do Conselho Regional de Medicina do Estado de Goiás (Cremego) e Sindicato dos Médicos do Estado de Goiás (Simego), na sede do Ipasgo.

 No próximo dia 14 de março, haverá outra reunião do presidente do Ipasgo com as entidades representativas para definir o calendário de pagamento das faturas referentes ao mês de dezembro de 2018.

 Segundo o presidente do Ipasgo, Silvio Fernandes, a atual gestão tem tomado medidas emergenciais para quitar as dívidas herdadas referentes ao ano de 2018 e, assim, evitar quaisquer danos aos usuários do plano de saúde. "Nosso objetivo é organizar as finanças do instituto e honrar as obrigações com a rede credenciada e, principalmente, com os nossos usuários. Nossos esforços são para que a prestação de serviço não seja paralisada de forma alguma".

Para o presidente do CROGO, Renerson Gomes dos Santos, a reunião desta segunda-feira foi de grande valia para os profissionais da saúde, pois a partir do diálogo aberto é possível compreender a real situação do Ipasgo e as medidas que estão sendo tomadas para sanear essas questões. "Percebemos transparência e um compromisso com as entidades e profissionais para resolver as demandas perantes à Odontologia".

 O presidente do Cremego, Leonardo Reis, afirma que, ao sanear os débitos, o Ipasgo está retomando a confiança dos profissionais e empresas do ramo de saúde. "O Ipasgo é o maior instituto de prestação de serviço de saúde suplementar do Estado de Goiás. Hoje, os atendimentos vinculados ao plano representam 50% ou mais dos atendimentos dos hospitais goianos. Então, esses pagamentos garantem segurança para quem está atendendo e também é um alívio para o paciente, que não terá interrupção dos atendimentos".

 Crise no Ipasgo

O presidente do Ipasgo, Silvio Fernandes, explica que as finanças do órgão estão deficitárias. Em janeiro, ao assumir a gestão, a dívida com a rede credenciada somava quase quatro meses. Havia débitos referentes a setembro, outubro e novembro. As dívidas de setembro e outubro foram pagas por esta gestão no último dia 6 de fevereiro.

 Além disso, há um déficit mensal de R$ 10,5 milhões. Ou seja, os valores arrecadados atualmente pelo Ipasgo são insuficientes para quitar todas as despesas. Também impacta negativamente no órgão uma dívida acumulada pelo Governo do Estado, no período entre 2012 e 2018 referente aos programais sociais.

Neste período, a administração estadual deixou de repassar ao Ipasgo o equivalente a R$ 272,6 milhões referentes aos programas sociais e à contribuição periódica, que recolhida da folha salarial do servidor público para o custeio da assistência em saúde.

  Somente os valores recolhidos da folha de pagamento dos servidores em outubro e novembro de 2018, que não foram repassados ao Ipasgo, somam R$ 89, 2 milhões. O presidente do Ipasgo, Silvio Fernandes, explica que está tomando medidas para negociar o pagamento desta dívida, que também foi deixada pela gestão passada, com a Secretaria da Fazenda o mais rápido possível.

  Ele afirma ainda que está tomando medidas administrativas para reduzir os gastos do órgão. Até o momento, a nova gestão já conseguiu uma economia mensal de cerca de R$ 1,5 milhão.

 

(Com informações da Ascom do Ipasgo)