Cirurgiões-dentistas credenciados ao IMAS manifestam contra instituto nesta terça-feira, dia 14

Os cirurgiões-dentistas credenciados ao Instituto de Assistência à Saúde e Social dos Servidores Municipais de Goiânia (Imas) farão uma manifestação na porta do instituto (Avenida Paranaíba, nº 1.413, Setor Central, Goiânia), nesta terça-feira, dia 14, às 8 horas.  O Imas vem atrasando os pagamentos dos cirurgiões-dentistas desde o ano passado. Atualmente, os profissionais estão sem receber desde o mês de março deste ano. A manifestação é convocada pelo Sindicato dos Odontologistas no Estado de Goiás (Soego) e conta com o apoio do CROGO.

Na avaliação do presidente do Soego, José Augusto Milhomem, os atrasos nos pagamentos se devem à inoperância do Imas e, principalmente, aos vencimentos dos contratos. “Quando o teto é ultrapassado, o pagamento tem que ser feito por indenização. Nesse caso, outro processo precisa ser aberto e submetido à Controladoria. Isso complica bastante o pagamento”, explica Milhomem. Atualmente, segundo ele, existem 34 cirurgiões-dentistas com problemas de recebimento, de um total de 160 profissionais credenciados ao instituto.

Além desse problema, somam-se outras dificuldades, como suspensão dos pagamentos pelo instituto, suspensão de todos os pagamentos da Prefeitura pela Secretaria Municipal de Finanças de Goiânia, entre outras. “O normal considerado pelo Imas é receber com um atraso de 90 dias. Dentro desses 90 dias, os cirurgiões-dentistas teriam que receber o mês de agosto. Não receberam nem o mês de março, abril... Pagam uns e não pagam outros. É muito desigual”, critica.

“É uma dificuldade muito grande para os colegas que têm despesas, custos com laboratórios, ficar sem receber. Muitos colegas atendem quase que, exclusivamente, pelo Imas, uma vez que a tabela do instituto ainda é uma tabela razoável frente a outros convênios”, desabafa Milhomem.

Um paciente por mês

A cirurgiã-dentista Emília (nome fictício) é credenciada ao Imas desde 2010 e atende, atualmente, 20 pacientes pelo instituto.  “Estou atendendo um paciente por mês, pois não tenho condições de manter o atendimento. Já são meses sem pagamento”, conta a cirurgiã-dentista.

Emília assinou novo contrato com o Imas em maio deste ano, mas ainda recebe por indenização. “Recebi até o mês de março deste ano. Disseram que iriam colocar o novo contrato em vigor para poder me pagar sem indenização. Estou no aguardo!! Vou lá toda semana ou eles falam que não têm orçamento ou falam que não sabem onde está o processo”, conta.

“Espero que o Imas se organize, pois passa uma imagem para nós, prestadores, de uma instituição sem confiança , sem organização e com falta de respeito para com seus prestadores e usuários !!! Os funcionários são grossos e despreparados para atender”, reclama. “Os usuários também reclamam desse descaso com os cirurgiões-dentistas”, acrescenta.

Incompetência “proposital”

Também credenciada ao instituto há cerca de seis anos, a cirurgiã-dentista Sara (nome fictício) está sem receber desde março último. “Em todos os anos, sempre ocorreram atrasos no pagamento, mas tudo dentro do prazo estabelecido em contrato. Neste ano, com o início da nova administração, o Imas virou uma bagunça: contratos vencidos que não são renovados, pagamento por indenização com atraso completando oito  meses”, relata.

“A incompetência é tão grande que parece proposital. Eles solicitaram a documentação para a renovação do contrato meses atrás, porém, até hoje estão enrolando para concluir. Sem contrato, não tem pagamento normalizado”, acrescenta.

Sara diz que tem um grande número de pacientes do Imas, mas teve que reduzir os atendimento ao máximo. “Estamos atendendo só urgências. O Imas era um excelente convênio, mas este ano virou uma decadência”, lamenta a cirurgiã-dentista.